domingo, 10 de dezembro de 2017

PORTA FECHADA

Como autor deste blog, cabe-me informar que a Biblioteca Museu Tarquínio Hall está encerrada por tempo indeterminado ou mesmo em definitivo. Nada poderei adiantar sobre motivos ou sobre tempos futuros, porque sou apenas ex-funcionário sem responsabilidades no assunto. Resta dizer que este blog também deixou de fazer sentido e será eliminado em breve.

Vítor Fernandes

quarta-feira, 18 de maio de 2016

BRASÃO

Brasão das Armas Reais

FOTOS ANTIGAS - 2


FOTOS ANTIGAS - 1


18 DE MAIO - DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS

Celebra-se hoje o Dia Internacional dos Museus. A data foi proposta pelo ICOM – Conselho Internacional de Museus (organismo da UNESCO) e celebra-se desde 18 de Maio de 1977.

Todos os anos é proposto um tema e este ano o tema é “Museus e Paisagens Culturais”. Visa promover a ideia de museu enquanto centro territorial de uma protecção activa da paisagem cultural. Essa função pode ser exercida em diferentes níveis, nomeadamente através da sensibilização das comunidades para o papel interventivo que podem desempenhar na conservação e valorização deste universo patrimonial tão vulnerável, e contribuir para minimizar a sua degradação ou até mesmo o seu aniquilamento.

79 Museus, Monumentos e Palácios de cerca de 44 concelhos de todo o país, participam este ano com centenas actividades muito diversificadas, proporcionando experiências atractivas e fora da oferta habitual por permitir ao público vivenciar os espaços numa perspectiva diferente, participando em actividades propositadamente organizadas para esse ambiente e horários específicos.

A Noite Europeia dos Museus, criada pelo Ministério Francês da Cultura e da Comunicação, irá decorrer a 21 de maio, e os museus portugueses irão associar-se, uma vez mais, a estas celebrações.

O Município de Oliveira do Hospital celebra a efeméride no Museu Municipal Dr. António Simões Saraiva.

Durante a tarde haverá a apresentação da peça de teatro "Bobadela: Lenda da Água que Beba Dela" pela Biblioteca Municipal de Oliveira do Hospital. Para além disso, o Museu acolhe exposições temáticas.

terça-feira, 17 de maio de 2016

LIVRO DA SEMANA - PINGOS DE MEMÓRIA


São 22 contos escritos de forma ligeira e divertida. Vinte e duas histórias baseadas em lendas e factos reais acontecidos em Lagos da Beira e aldeias vizinhas. Trata-se do segundo livro de Vítor Paulo Fernandes editado em 2014. Ainda há alguns exemplares para venda na Biblioteca Municipal de Oliveira do Hospital, na Livraria Meio Mundo, também em Oliveira do Hospital e pelo próprio autor com o contacto 965752763


UMA PORTA ABERTA À CULTURA

A casa que alberga a biblioteca, museu e espaço internet foi residência do poeta e investigador de História Tarquínio Hall. Era sua vontade transformar este espaço em algo capaz de valorizar culturalmente a sua Terra. Após o seu falecimento em três de Julho de 2002 coube à Junta de Freguesia fazer todas as obras necessárias à transformação de uma residência num espaço museológico com biblioteca. Tarefa complicada por dificuldade de financiamento e morosa visto que teve que se organizar a biblioteca com centenas de livros do dono da casa e outros que foram doados. Este paciente trabalho, assim como toda a organização do museu, esteve a cargo da Dra. Filomena Carvalho. Finalmente a magnífica obra foi inaugurada em três de Julho de 2011. No sótão transformado funciona a biblioteca e o espaço internet. No segundo piso está o museu com exposição permanente sobre as profissões, artes e ofícios já desaparecidos. Aqui podemos encontrar as ferramentas do carpinteiro, resineiro, sapateiro, pedreiro e ferreiro. Também há um espaço dedicado a tarefas agrícolas como sejam o cultivo e fabrico do azeite e do vinho. No rés-do-chão temos um espaço para exposições diversas de caracter não permanente. No espaço envolvente podemos encontrar um parque infantil e um espaço arborizado propício para actividades ao ar livre.


QUEM É TARQUÍNIO HALL?

Tarquínio da Fonseca Hall nasceu em Lagos da Beira, Concelho de Oliveira do Hospital, no dia 9 de Novembro de 1915. Era filho de José João da Fonseca e de Dona Maria da Ressureição Guilherme Hall, que também foram seus professores de instrução primária. Frequentou, em Coimbra, o Liceu José Falcão onde completou o 7.º ano (actual 11.º).
Foi mobilizado pelo Batalhão Independente de Infantaria 19, com sede no Funchal, onde permaneceu durante a Segunda Guerra Mundial como alferes e tenente miliciano. 
Licenciou-se em 11 de Janeiro no instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina. Exerceu funções públicas no Ultramar português durante mais de 30 anos onde foi comtemplado com vários louvores. Regressa a Portugal após o 25 de Abril e desenvolve notáveis trabalhos de jornalismo e investigação histórica a par de actividade política sendo mesmo deputado da Assembleia Municipal em 1989 e anos seguintes. Em 7 de Outubro de 1994 foi condecorado pela Câmara Municipal de Oliveira do Hospital com a medalha de prata da cidade por serviços prestados à cultura.
Dedicou-se à poesia deixando uma vasta e bela obra poética. Publicou o primeiro livro em 1945 com o título “Variações”. Seguiram-se “Poemas de Alem e de Aquém mar” (1956); “Poemas Africanos” (1960); “Liberdade e Fraternidade” (1977); “Ternura” (1980); “Poemas” (1986); “Infante Dom Henrique” (1996). Ilustro este post co um poema dedicado à Terra que o viu nascer.

Lagos da Beira

Minha terra
não tem rios, não tem mar,
mas tem um lindo céu azul
com cascatas de luar…
tem as ondas dos pinhais
quando o vento as faz bailar…

Nosso mar é verde mar…
Como no mar, é o vento
que faz o verde ondular,
que torna verde o relento…
Nas copas dos olivais
navegam barcos reais
distantes no pensamento…

Minha terra
não tem rios, não tem mar;
tem as ondas dos pinhais
quando o vento as faz bailar…